segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Observatório da prostituição

Oi gente, durante nossa apresentação falaram sobre esse site, o observatório da prostituição. Acho válido para ampliar um pouco a discussão.

https://observatoriodaprostituicao.wordpress.com/

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Produção de subjetivação negra

Ao longo da disciplina vimos como discursos de verdade influenciaram, e continuam influenciando, na constituição de processos criminalizante e que por vezes vão se tornar processos incriminatórios. Vimos também que no Brasil esses processos se constituíram pautados em teorias eugenista, higienistas e etc. Passamos a disciplina tentando captar os reflexos mais objetivos desses processos. Contudo, para despontar em nossa formação de psicólogos um olhar sensibilizado trago, então, uma fala pertinente das muitas violências sofrida por uma mulher negra refletido em seu processo de subjetivação.  

Processo de construção da verdade

Deveria ter postado isso há muito tempo, mas eu adorei o infográfico que o áPedro construiu na aula sobre onde e como o psicólogo pode atuar num processo jurídico.

Com base no esquema dele, desenvolvi uma versão digital. Espero que gostem e que sirva como material de estudo.

Psicologia e design?

Bom gente, minha proposta com esse post não é discorrer sobre a relação desses dois campos, até porque nem eu sei ao certo se existe ou não.

Mas, vou colocar aqui duas referências que me fizeram refletir sobre essa relação.

Design centrado no humano - metodologia de desenvolvimento de projetos de design com foco no usuário. Muita pesquisa e idas a campo para desenvolver e entregar produtos ou serviços que possam transformar a realidade do usuário em questão.
Segue o pdf
http://brazil.enactusglobal.org/wp-content/uploads/sites/2/2017/01/Field-Guide-to-Human-Centered-Design_IDEOorg_Portuguese-73079ef0d58c8ba42995722f1463bf4b.pdf


Pistas do método da cartografia - Achei alguma relação nessa publicação de  Eduardo Passos, Virgínia Kastrup  e Liliana da Escóssia.
Segue o link:
https://editorasulina.websiteseguro.com/img/sumarios/473.pdf#page=76

Boa leitura!
 

Material sobre a Shoah (Holocausto)

Essa postagem é um compilado de referências para os que se interessam sobre a Shoah (Holocausto) e como esse fenômeno humano pode nos ajudar a pensar sobre acontecimentos contemporâneos e a pensar uma psicologia que não possibilita a repetição de nenhum extermínio e violência. Uma psicologia de memória e que fala sobre a vida.

Os vídeos são do meu orientador de pesquisa em pedagogia da Shoah, realizada no ano de 2013
Seu nome é Mario Sinay.

https://www.youtube.com/watch?v=btgjPFC-Ed8

https://www.youtube.com/watch?v=5J6HBPpxP6Q

https://www.youtube.com/watch?v=o24tOUnfa2c

Esse link é para uma prévia do livro El Niño Estrella - livro que trata da Shoah para crianças. Mais uma vez, não é a tragédia nem o horror que irá prevalecer e sim a construção de vidas, relatos e valores.

https://www.goodreads.com/book/show/3114497-el-ni-o-estrella

Segue também o site do Yad Vashem - site de recordação e memória da Shoah. Inúmeras pesquisas e material a respeito do tema. São o principal centro de pesquisa na área. Fica em Jerusalém, Israel. Ainda não tem a versão em português do site, mas tem em espanhol.



terça-feira, 5 de dezembro de 2017

A maternidade e o cárcere

A matéria, publicada na Revista Radis e acessada no Portal Fiocruz, traz dados e relatos acerca da realidade das mães encarceradas no sistema prisional brasileiro, dialogando com o livro "Presos que menstruam", tema do seminário apresentado por meu grupo, e com o debate que se deu em sala após a apresentação.

link:
https://portal.fiocruz.br/pt-br/content/revista-radis-mostra-como-e-maternidade-atras-das-grades

Em muitas aulas falamos da criminalização da pobreza e me veio um texto muito interessante da Maria Lívia do Nascimento, na realidade é o primeiro capítulo do livro Proteção e Negligência: Pacificando a vida de crianças e Adolescentes. Infelizmente não consegui achar o livro pela internet para postar aqui, mas vou botar a foto da capa e indico muito a leitura! Fala sobre a utilização da negligência como argumento de retirar crianças das suas famílias quando estas possuem uma renda mais baixa. Isso começa a ocorrer depois que o ECA define que pobreza não pode ser motivo para os pais perderem a guarda de seus filhos. Entretanto a utilização da negligência para justificar algumas ações do conselho tutelar apenas mascara o real motivo. Vou colocar alguns trechos que achei bem interessantes para fazer pensar.

"No campo da infância e da adolescência, muitas vezes, a defesa de direitos se apoia em referências tradicionalmente criminalizadoras das famílias, que quando tomadas como violadoras dos direitos de seus filhos, frequentemente são julgadas como desestruturadas, habitando o território do erro, já que escapam aos modelos instituídos de ser mãe, pai ou família" (pg 43)

"Pesquisas têm mostrado que pertencer a famílias com graves dificuldades financeiras e o chamado abandono, são os principais motivos para o abrigamento de crianças e adolescentes.(SILVA, 2004; COIMBRA, AYRES E NASCIMENTO, 2008). Entretanto, diz o Estatuto que não se pode abrigar por pobreza. (...) Nesse sentido, o discurso da negligência passa a ocupar o lugar anteriormente ocupado pela pobreza, que agora é caracterizada como judicialmente inconstitucional e politicamente incorreta" (pg 45)